Nota sobre os ataques às aldeias Guaraní

É com profunda indignação que recebemos as notícias de que três aldeias Guaraní sofreram ataques e intimidações covardes na madrugada do dia 14 de setembro no Rio Grande do Sul.

Foto: CIMI/CCM-RS

Um desses territórios é a Aldeia Guajayvi, do município de Charqueadas (RS), localizada a cerca de 1.200 metros da área em que a empresa Copelmi propõe instalar a maior mina de carvão do país. Segundo relatos de lideranças, no meio na noite um homem armado e não identificado abordou uma mulher indígena em frente à Aldeia e comunicou que “os indígenas não deveriam se movimentar no local porque estariam sujeitos a levarem tiros de armas de fogo”.

Tal tipo de intimidação é um fato inédito na história dessa comunidade. A Aldeia pode estar sendo vista como uma ameaça à instalação do projeto Mina Guaíba, uma vez que sua presença torna flagrante o fato de a empresa Copelmi não ter realizado em seus Estudos de Impacto Ambiental (EIA) o chamado Componente Indígena, desrespeitando a Convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho (OIT), ao não realizar consulta prévia à esta Aldeia e à outros territórios indígenas do entorno, bem como ao não avaliar os impactos socioambientais e de saúde à estas comunidades, questões que já estão sendo acompanhadas por inquérito do Ministério Público Federal.

Exigimos que os órgãos responsáveis apurem estes fatos com celeridade, no sentido de identificar os agressores e mandatários e buscar suas devidas responsabilizações, bem como que seja garantida a segurança, integridade física e o bem estar psicossocial da Aldeia Guadjayvi e das demais comunidades (comunidade Mbya da retomada da Ponta do Arado, em Porto Alegre (RS), e Aldeia Yy Rupa, da retomada em Terra de Areia (RS)) atacadas, no que parece ser uma ação articulada para impor medo e terror a essas crianças, mulheres, idosos e homens, nosso povo originário.

Porto Alegre, 23 de setembro de 2019.
Comitê de Combate à Megamineração no RS
Sim à vida! Não à destruição!

Publicado por Comitê de Combate à Megamineração no RS

Mais de 100 entidades compõem o Comitê de Combate à Megamineração no RS e apoiam a luta contra o aumento da poluição e para evitar riscos dispensáveis no Rio Grande do Sul.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: